O futuro está nos Serviços

Recentemente, a inovação tem sido o mantra de qualquer empresário ou executivo que busca o sucesso do negócio. Aprimorar ou criar algo totalmente novo realmente confere às empresas posição de destaque no mercado.

Por outro lado, pouco falamos sobre mudar a nossa forma de pensar, nossos hábitos e crenças, muitas vezes ultrapassadas. Digo isso pois algumas coisas surgiram há muito tempo, já foram testadas por diversas vezes no mercado, mas, não raro, são vítimas da resistência corporativa.

São vários os exemplos. Hoje vou focar numa tendência que vem de anos e que com muito esforço, agora, tem chegado mais forte no ambiente corporativo. O do “usar” ao invés de “ter”.  Recentemente, duas empresas muito inovadoras e antenadas anunciaram serviços de aluguel: Apple e Magazine Luiza!

A Apple anunciou recentemente que vai passar a alugar seus equipamentos. O consumidor paga uma mensalidade e poderá usufruir da troca de celulares e outros itens da marca.

Por meio do serviço “VaiVolta”, a Magazine Luiza anunciou que o consumidor agora pode alugar todos os produtos vendidos na loja. O projeto está sendo testado em parceria com a Housi, plataforma de moradia por assinatura. Ou seja, o morador assina o imóvel e aluga os móveis e eletrodomésticos!!!

Essas iniciativas demonstram o que muda quando a empresa coloca o foco nas necessidades dos seus clientes. Ambas perceberam que ao oferecer os produtos via aluguel, livraria o cliente de atividades e preocupações que não são prioridades para eles. Descobrir e resolver o problema do cliente de um jeito novo é uma baita inovação!

Porém, acredito que assim como ocorreu com o Uber ou o AirBnB, haverá inicialmente muita resistência dos consumidores com o modelo. Estou convencido que é mais difícil mudar o hábito/cultura das pessoas e das empresas do que inovar.

E você empreendedor e executivo?  Já oferece algum serviço inovador para seus clientes? Contratar um serviço é muito melhor para o usuário do que adquirir produtos.  Eu me convenci disso há muito tempo, quando iniciei praticamente sozinho o mercado do outsourcing no Brasil. Aliás, já é sabido que o serviço será a base da economia do futuro.

Fonte: TecMundo | 06/05/2022